5 passos para gamificar sua rotina e otimizar resultados

5-passos-para-gamificar-sua-rotina-e-otimizar-resultados

Se você está se sentindo constantemente cansado, estressado com suas rotinas ou desanimado só de pensar na quantidade de tarefas que tem para fazer, não se desespere. Desenvolvi ao longo do tempo uma estratégia para otimizar resultados e organizar o cotidiano, por meio de 5 passos para gamificar sua rotina. São processos simples de fazer, que funcionam muito bem para mim e que podem lhe ajudar –  senão resolvendo seu problema, ao menos, servindo de ponto de partida para que você possa adaptar e fazer funcionar para você também.

Na minha visão, gamificar uma rotina ou qualquer outra é sobretudo organização e balanceamento com foco na experiência. Otimização dos resultados é consequência. Portanto, ao estudar os passos a seguir, tenha sempre em mente essas três palavras-chave: organização, balanceamento (equilíbrio) e experiência.

1. Faça uma lista contendo tudo que você tem que fazer

Faça uma lista de todas as tarefas que você já tem certeza que precisa fazer. Gaste um tempo nisso, pois essa lista deve levar em consideração todas as áreas da sua vida. E não se espante com o número de itens. A minha estava com 58 itens na primeira vez que contei, mas já cheguei próximo aos 78, hoje está com 46. No início pode ser difícil, você pode não saber bem o que listar, mas com a prática vai ficando mais fácil. 

E lembre-se: Sempre que você lembrar de uma nova tarefa no meio do dia, anote-a como mais um item, mas, na medida do possível, não se desvie das metas do dia.

A palavra-chave aqui é organização.

2. Defina as metas e os resultados para dia seguinte

Considerando urgência e importância das tarefas listadas, defina quais delas você cumprirá no dia seguinte e em que ordem. Mas não considere apenas a urgência e a importância das tarefas, sempre que possível (quase sempre é), priorize o seu bem-estar, programando o seu dia para intercalar tarefas chatas, pesadas e/ou demoradas com tarefas prazerosas, leves e/ou rápidas.

Balanceie também a dificuldade do dia como um todo, ou seja, não coloque tarefas demais nem de menos. Até porque ele não deve parecer difícil demais, nem fácil demais.

Palavras-chave: equilíbrio e experiência

3. Lide com os imprevistos

Caso surja um imprevisto – eles surgirão mais frequentemente do que você espera – e você precise se desviar do planejado, não tem problema. Logo após resolvido o imprevisto, olhe novamente para as metas. E se não houver mais tempo ou energia para cumpri-las no dia, não se estresse. Reorganize o restante do dia, abortando alguma(s) tarefa(s). Se por um lado você não cumpriu o planejado, em contrapartida você resolveu um imprevisto que tinha prioridade maior. Logo, você jogou bem.

As palavras-chave são equilíbrio e experiência.

4. Tenha atenção aos feedbacks

Preste atenção ao seu ânimo e energia ao longo e ao final do dia que você projetou. Essa autopercepção é muito importante para o processo de ajustes. Não espere resultados milagrosos e imediatos, afinal, você está em um processo de adaptação e talvez os benefícios não sejam tão perceptivos assim logo de cara, mas ainda assim, não diminua seus avanços.

Palavra-chave: autopercepção.

5. Faça ajustes diários para otimizar resultados

Ao fim do dia, dependendo do feedback de sua autopercepção, projete o dia seguinte com outro formato. Por exemplo, se ficou pesado demais, uma possibilidade é diluir tarefas chatas e demoradas em mini metas diárias. Cada dia é uma partida diferente e você pode ir refinando a forma como distribui os desafios, tornando, assim, seus dias cada vez mais divertidos e produtivos.

Palavra-chave: ajuste.

Siga esses passos com perseverança, tente captar sua essência e adaptar seus dias ao seu modo de ser. No fim, você vai gamificar sua rotina e otimizar seus resultados, além de ver que, afinal, há tempo para fazer tudo que precisa ser feito e ainda aproveitar o caminho, revezando as tarefas estressantes com as que lhe dão prazer e relaxamento. 

Conheça o autor

Leandro Costa é autor do livro “O que os Jogos de Entretenimento têm que os Educativos não têm: 7 princípios para projetar jogos educativos eficientes”. Ele é sócio-fundador e Lead Game Designer da Ludilens – empresa especializada em gamificação e jogos sérios. Se você gostou do conteúdo e quer saber mais sobre os Jogos e a Educação, confira mais artigos como este no blog do Leandro Costa. Encontre ele também no Instagram.

Compartilhe essa publicação.

Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on email

Inscreva-se na Lista VIP de Amigos da Educação

Mantenha-se atualizado sobre as inovações na Educação e ainda receba conteúdos exclusivos!

Continue sua leitura