Home office na educação: auxílio ao professor que trabalha em casa

home office na educação idapt

A princípio, nós já apresentávamos uma rotina de home office na educação, do “professor que trabalha em casa”. O que, antigamente, era composto de um caderno, livros, canetas e no máximo um computador para uso pessoal – para trabalhar em seu planejamento de aula, ou até mesmo na correção de provas, sozinhos em casa.

Com a pandemia do novo coronavírus, a educação básica passa por um novo desafio: transformar a educação pautada em contato físico, abraços e trocas para o ensino remoto emergencial.

Diante deste cenário, os professores brasileiros – e do mundo todo – tiveram que adaptar seu trabalho para que pudesse ser realizado em casa. Estamos nos ressignificando, aprendendo entre os mais diversos desafios para entregar, com qualidade, a educação para nossos alunos.

Com o intuito de colaborar e trazer novas perspectivas para o home office na educação, separei algumas dicas para trazer mais conforto e qualidade de trabalho em seu dia a dia.

  • Espaço: Se possível, separe um espaço confortável com boa ergonomia, deixando próximos os materiais que serão utilizados para a aula. Se está em um ambiente com muito barulho, um fone de ouvido pode te ajudar na concentração e redução de ruídos;
  • Lente da câmera: Antes de começar a aula, limpe a sua câmera com um pano seco. Muitas vezes pequenas partículas ou até mesmo nossa impressão digital pode afetar a qualidade de sua imagem;
  • Onde olhar?  Uma dica simples e muito eficaz para manter a atenção de seus alunos: caso esteja sentado ministrando a aula, busque sempre olhar para a câmera ao invés de olhar para sua imagem na tela. Mesmo que digitalmente, o aluno terá maior contato visual e maiores chances de se manter produtivo;
  • A importância da sua voz: Busque variar sua voz em momentos oportunos de sua aula, alterando o volume (alto e baixo), o ritmo (rápido e devagar) e o tom (grave e agudo). Sem dúvidas, sua explicação ficará muito mais clara!
  • Traga seu aluno para participar do ensino remoto! Realize dinâmicas, trabalhos em duplas ou grupos. E não esqueça das competências tecnológicas desta geração: não hesite em pedir indicações sobre novas ferramentas.
  • Faça a pausa do café: Mantenha contato com outros docentes, assim como era gostoso tomar um café na sala dos professores. Momentos de descontração e apoio em equipe são essenciais!
  • Google Jamboard: é o quadro branco inteligente desta gigante da tecnologia. Ele permite que você compartilhe “sua lousa” para todos seus alunos do ensino remoto.
  • Cuide de sua saúde mental e física, mantendo contato mesmo que virtual com familiares e amigos, e não esqueça da importância de uma alimentação equilibrada e a rotina de exercícios. Experimente algo novo!
  • Tenha uma rotina, exponha-se a claridade e busque acordar e dormir em horários parecidos. Manter seu ritmo cicardiano é muito importante para a qualidade de seu sono.

Caso você ainda deseje se aprofundar na inovação da profissão docente e relevância nos novos papeis, deixo a minha indicação do livro: O Papel Do Professor Na Nova Educação. Você pode baixa-lo gratuitamente aqui. 

Não sabemos bem ao certo sobre nosso futuro, ou até quando o home office na educação irá perdurar. Mas precisamos, portanto, alimentar nossa coragem e criatividade para continuar nossa missão como educadores digitais.

Conheça a autora

Mariana Tombolato é Pedagoga pela UNESP/FCLAr e especialista em Gestão Organizacional e de Pessoas pela UFSCar. Já atuou como professora, coordenadora e diretora pedagógica em instituições públicas e particulares do interior de São Paulo. Encontre Mariana no Instagram.

Compartilhe essa publicação.

Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on email

Inscreva-se na Lista VIP de Amigos da Educação

Mantenha-se atualizado sobre as inovações na Educação e ainda receba conteúdos exclusivos!

Continue sua leitura

supremacia-jogos-educacao-idapt
Educação no Brasil

A Pedagogia Suprema do Jogo: os jogos na educação

Por muito tempo o potencial do uso de jogos na educação passou despercebido pelas escolas, educadores e família. Mas hoje sabemos o quão eficientes os jogos são para a aprendizagem do indivíduo.