Como aumentar o interesse dos alunos nas aulas com a tecnologia?

ensino hibrido jovens genios idapt

O ensino híbrido é a metodologia que promove a individualização do processo de aprendizagem através de tecnologias digitais, mesclando o ensino presencial com o online.

Na visão da especialista Lilian Bacich, “O ensino híbrido é uma mistura metodológica que impacta a ação do professor em situações de ensino e a ação dos estudantes em situações de aprendizagem”.

Hoje, o ensino híbrido é considerado uma das grandes apostas para o futuro da nossa educação. Que tal descobrir como e porquê ele surgiu para aprender neste post o que é ensino híbrido e como aplicar na sua escola?

Como surgiu?

Antes de explicar isso, precisamos fazer dois questionamentos.

Você acha que essa é uma geração de alunos cada vez mais desinteressada e desengajada? 

Agora, você já parou para pensar que talvez o problema não esteja com essa geração, e sim na forma como tentamos ensiná-los?

O ensino híbrido surge justamente porque compreendemos que as técnicas atuais de ensino já não são mais tão eficazes para atender às demandas de cada aluno. 

Isso porque o modelo tradicional de ensino – que é aplicado na grande maioria das escolas hoje em dia – surgiu no começo do século 19 para atender às demandas daquela época.

O mundo estava passando pela primeira revolução industrial e precisava-se de mão de obra em larga escala e que fosse minimamente qualificada para operar as máquinas somente. Mas não necessariamente para ser uma massa trabalhadora que pensasse ou questionasse.

Para isso, era colocado todo mundo em fileira, de frente para um quadro negro e o professor na frente passando o conteúdo.

O modelo tradicional de ensino, além de entediante muitas das vezes, não leva em consideração as individualidades dos aluno, como a vivência, interesses e aptidões de cada um que influenciam no aprendizado.

E consequentemente, não consegue suprir as demandas desses novos alunos, conhecidos também como “nativos digitais”, que falam a linguagem digital com naturalidade.

A partir desses entendimentos, começou a se pensar em novas formas de como “ENSINAR” para que o aprendizado seja mais efetivo e interessante. 

Ensino Híbrido: Como aplicar

Além da adoção da tecnologia como ferramenta de aprendizagem, o ensino híbrido traz uma nova perspectiva para o papel desempenhado pelo professor. Ele deixa de ser a fonte exclusiva de conhecimento e passa a ser um mentor que guiará os alunos pelos caminhos da aprendizagem.

Visto que, com o uso da tecnologia, os estudantes passam a ter acesso à uma infinidade de conteúdos disponíveis na internet, ficando à cargo do professor fazer uma tutoria e orientá-los em quais são de fato relevantes. 

Mas como a aplicação do ensino híbrido acontece na prática?

Para a implementação, é necessário pensar em vários aspectos como infraestrutura, formação dos professores, currículo e definição dos modos de avaliação, pois trata-se de um sistema integrado.

Inclusive, se quiser saber um pouco mais sobre como avaliar o seu aluno, baixe nosso e-book grátis.

Nesse sentido, a ideia é que o ensino presencial e online se conectem e se tornem complementares para proporcionar diferentes formas de ensinar e aprender um determinado conceito.Na prática, existem algumas modalidades que são orientações para a melhor aplicação do ensino híbrido dentro da sala de aula. As mais comuns são:

• Sala de aula invertida

O aluno estuda o conteúdo antes da aula, de forma com que se prepare para as atividades posteriores como exercícios, debates que irão ocorrer na aula com o professor.

• Rotação por estações

Primeiro o professor cria as estações de aprendizagem com propostas diferentes, depois divide a turma em grupos que ao decorrer da aula, irão mudando de estação.

• Rotação individual

A ideia é individualizar ainda mais o processo.  Onde cada aluno irá rodar pelas estações com o seu cronograma de rotações independente

• Laboratório rotacional

Nesta modalidade em vez de rotacionar por estações, os alunos vão rotacionar por salas. Normalmente se divide a classe em dois grupos e um vai para a sala, quanto o outro vai para o laboratório de informática por exemplo.

Elas incentivam a interação entre os alunos, ajudam a desenvolver as competências e habilidades da BNCC e ainda permitem que o professor consiga dar atenção mais individualizada para cada estudante.

Sem contar que os alunos aprendem, colocam o conteúdo em prática, debatem sobre e ainda recebem o feedback, tudo na mesma aula.

Conclusão

O ensino híbrido e suas modalidades representam uma disrupção bem grande em relação ao modelo tradicional de sala de aula que temos hoje em dia. 

Mas como acompanhamos, existe a necessidade de personalização do ensino e de novas abordagens, associada às ferramentas digitais para suprir as demandas dos novos alunos.

Além disso, você não precisa implementar o ensino híbrido e suas modalidades da noite para o dia. 

Se você ainda tem receio dessas mudanças, experimente aos poucos. Comece utilizando em sala ferramentas digitais de aprendizagem que ajudam na aplicação do ensino híbrido, como a Jovens Gênios, por exemplo. Depois de utilizar isso, avance para a próxima etapa, criando as estações de rotação e o laboratório.

O ensino híbrido é uma de muitas metodologias ativas. E todas elas têm em comum o aluno como protagonista do aprendizado, trazendo individualização e mais engajamento.

Com o momento difícil que estamos enfrentando devido ao Covid-19, aproveite o melhor que os recursos digitais têm a oferecer para manter o vínculo de aprendizagem e de trabalhar a distância da melhor forma possível para diminuir os impactos na nossa educação.

Para conhecer as principais metodologias ativas e como aplicá-las em sala de aula, inscreva-se no EAD gratuito da Jovens Gênios.


Compartilhe essa publicação.

Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on email

Inscreva-se na Lista VIP de Amigos da Educação

Mantenha-se atualizado sobre as inovações na Educação e ainda receba conteúdos exclusivos!

Continue sua leitura

supremacia-jogos-educacao-idapt
Educação no Brasil

A Pedagogia Suprema do Jogo: os jogos na educação

Por muito tempo o potencial do uso de jogos na educação passou despercebido pelas escolas, educadores e família. Mas hoje sabemos o quão eficientes os jogos são para a aprendizagem do indivíduo.